quarta-feira, 21 de março de 2012

3° Instrução

                                

                        À  G.’. D.’. G.’. A.’. D.’. U.’.                    

                         ARLS  REALIDADE N° 21

                                                 IR.'. DANIEL FRANCELINO FELIX

                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                           

                     3° instrução

 
     Um breve resumo e complemento a terceira instrução, que é dotada de grandes concepções, e reflexões em relação à iniciação.
  
   Quando adentramos ao templo na condição de iniciando (ainda profano), uma pergunta importantíssima que cuja resposta se negativa pode levar o candidato a não ser iniciado é: Em quem depositais a vossa confiança?  R = Em Deus.  
   Deus é o Grande Arquiteto do Universo, é o ente supremo criador de tudo que existiu, existe e existirá.  É o ente ao qual reverenciamos.
   A Maçonaria não é uma religião, pois não professa um culto, mas é uma sociedade de homens religiosos, pois exige de seus membros que acreditem na existência de um Ente Supremo.    O nome desse ente, a forma pela qual é adorado, os textos sagrados, são assuntos que cada maçom deve resolver por si.  A Maçonaria exorta aos IIr.’.  seguirem os ensinamentos de sua religião, mas não se ocupa com os detalhes dessas religiões.  Podemos afirmar que a Maçonaria é uma companheira filosófica da religião.   As religiões e os princípios que regem os diferentes povos são tidos como uma exterioridade de manifestação.   
   A fé é a Sabedoria do espírito, e sem ela não estaríamos acessíveis as verdades ocultas através dos símbolos e alegorias.  O sistema de ensino maçônico consiste em mistérios e alegorias, que devem ser bem observados , estudados e vivenciados.
   Sabemos da existência do G.’.A.’.D.’.U.’.  , pois além dos órgãos de nosso ser material, o Ente Supremo nos dotou de Inteligência, fazendo-nos discernir o bem do mal. Dando-nos a capacidade de refletir, o que nos distingue dos animais irracionais.  Sem a reflexão o Homem seria um animal entregue aos mais grosseiros instintos.
   A inteligência é suscetível de progresso e aperfeiçoamento, e tem suas fases: Infância, adolescência e maturidade, evoluem progressivamente, aperfeiçoando-se e elevando-se ao mais alto grau de concepção. 
   Quando estamos no início de nossa jornada maçônica no primeiro grau, podemos comparar com a infância, no qual a criança precisa receber conhecimento, e uma série de preceitos morais que o acompanharão pelo resto de sua vida. Podemos também chamar essa fase de “A fase da Tese”, pois uma série de instruções nos são apresentadas, e devem ser bem absorvidas e não questionadas. Observemos que uma criança de 3 anos é receptível aos ensinamentos, ela ainda está “descobrindo o mundo”, para formar suas concepções.   É-lhe apresentada a TESE.  
   Quando absorvemos os ensinamentos que nos foram dados e concluímos com êxito esse primeiro ciclo de estudos, podemos avançar e chegarmos a um novo grau de concepção, o Grau do Companheiro – maçom.  Essa nova fase pode ser comparada a Adolescência ou “a fase da Antítese”, a fase do questionamento, e postumamente a plenitude maçônica o Grau de Mestre – maçom, a maturidade, ou seja, a fase da Síntese. 
   Depois de passarmos pela Tese, pela Antítese chegamos a Síntese, temos nossa Concepção formada.
                                                          A verdadeira obra da Maçonaria
   A construção moral da humanidade é a verdadeira obra da Maçonaria. 
   A moral maçônica se condensa toda nesta máxima  -  AMA A TEU PRÓXIMO ,  o amor ao próximo é uma virtude que deve estar presente no coração de cada maçom.

                                                             LIVRE E DE BONS COSTUMES
   Todo homem é livre, a liberdade é fonte de todos os sentimentos de honra e dignidade.  Reputação de honra ilibada, bom caráter, são condições primordiais para ser concebido maçom. A Maçonaria proclama que a sua filosofia tem base na tradição, nos usos e nos costumes.  Portanto, “costumes”  não são um mero comportamento, uma conduta moral, mas sim um universo de práticas que conduzem o ser humano a uma vida espiritual.

Nenhum comentário:

Postar um comentário